Notícias

Ricardo Galvão é o novo presidente do CNPq

Quase 4 anos após ser demitido do INPE por embates com o então presidente Bolsonaro, pesquisador volta a um cargo central para a ciência do país

Gabriel Tussini·
18 de janeiro de 2023·1 anos atrás

O físico Ricardo Galvão é novo presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O anúncio oficial ocorreu em cerimônia realizada no auditório da agência, em Brasília, na tarde de ontem (17). Ele assume com o desafio de reajustar as bolsas de pesquisa no país, congeladas desde 2013. Em emocionado discurso, ele afirmou que a sua nomeação e a de Mercedes Bustamante, nova presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), representam a “comprovação de que nossa ciência sobreviveu ao cataclisma político promovido por um governo negacionista”.

Galvão lembrou a postura anti-ciência do governo do ex-presidente Jair Bolsonaro, e agradeceu os servidores do CNPq e demais unidades do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. “Eu tenho 51 anos de serviço público”, disse o pesquisador, emocionado. “E todos sabem como os servidores públicos são acusados de não fazer nada, de não trabalhar, de não produzir. Vocês foram o sustento contra esse governo. Eu sou muito agradecido”, completou, afirmando que a “truculência e o negacionismo” foram derrotados pelo povo brasileiro.

Em entrevista à Rádio CBN nesta quarta (18), Galvão disse que o órgão já estuda reajustar as bolsas de pesquisa em 40%, embora isso ainda não esteja definido. O assunto, segundo ele, será discutido ainda hoje em reunião com a Casa Civil da presidência.

Na cerimônia, a ministra da Ciência e Tecnologia, Luciana Santos, anunciou ainda a “recomposição integral” do orçamento do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), que financia programas e projetos prioritários na área. Os recursos serão liberados a partir de fevereiro, quando a Medida Provisória 1136/22, que bloqueou recursos do fundo até 2026, perde a validade. Quase R$ 10 bilhões estarão disponíveis para o FNDCT. É daí que devem sair os recursos para o prometido reajuste das bolsas.

Ricardo Galvão substituirá o agrônomo e professor da Universidade Federal de Viçosa (UFV) do Vilela, presente na cerimônia de anúncio e que estava no cargo desde maio de 2020. Apesar das críticas de Galvão ao negacionismo bolsonarista, ele elogiou a capacidade de Vilela para manter a agência “operacional” nesse período.

O novo presidente do CNPq, livre-docente em física experimental pela Universidade de São Paulo (USP), já esteve à frente de diversas outras organizações científicas. Além de ser membro das academias brasileira e paulista de Ciências, ele foi diretor do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (2004-2011), da Sociedade Brasileira de Física (2013-2016) e, mais recentemente, do Inpe, entre 2016 e sua turbulenta exoneração em 2019, após embate com o ex-presidente Jair Bolsonaro. 

Em 2022, Galvão concorreu a deputado federal pela REDE-SP, recebendo 40 mil votos, insuficientes para garantir uma vaga. Em novembro, foi nomeado membro do Grupo Técnico de Ciência, Tecnologia e Inovação da equipe de transição governamental.

Em lembrança à saída de Galvão do Inpe, a ministra Luciana Santos disse que “hoje é dia em que se faz justiça à ciência brasileira”. “Hoje sepultamos o negacionismo ambiental e exaltamos o trabalho feito pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais “, afirmou.

Foto: Wesley Sousa/ASCOM/MCTI

Enfrentamento a Bolsonaro

Em julho de 2019, dados do sistema Deter-B, do Inpe, apontaram que a Amazônia sofria sua segunda maior perda florestal até meados daquele mês desde o início da série histórica, em 2015. Em resposta, o então presidente Jair Bolsonaro disse ter “a convicção de que os dados são mentirosos” e que a floresta “já estaria extinta” se houvesse toda essa devastação. Bolsonaro afirmou que mandaria “o cara que está à frente do Inpe” se explicar em Brasília, especulando que Galvão estaria “a serviço de alguma ONG”.

No dia seguinte, Ricardo Galvão, que de início preferiu não responder, quebrou o silêncio classificando a postura do presidente como “pusilânime e covarde”, afirmando que seus comentários eram “impróprios e sem nenhum embasamento”, “ataques inaceitáveis não somente a mim, mas a pessoas que trabalham pela ciência desse país”. O presidente do Inpe disse acreditar que Bolsonaro fez os comentários esperando que ele pedisse demissão, mas se recusou a fazê-lo. Após 13 dias de tensões em alta, Galvão acabou sendo exonerado de seu cargo, 1 ano antes do fim do mandato.

Em sua posse no CNPq, o físico disse que o governo Bolsonaro “empreendeu um verdadeiro desmonte das políticas públicas em diversas áreas”, e que “no dia de hoje, viramos essa página triste de nossa história com a convicção de que a ciência voltará a prometer grandes avanços para nossa sociedade através da autoridade do conhecimento”.

  • Gabriel Tussini

    Estudante de jornalismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), redator em Golden Queen e interessado em meio ambiente, política e no que não está nos holofotes ao redor do mundo.

Leia também

Salada Verde
18 de dezembro de 2019

Ricardo Galvão é uma das dez personalidades do ano da Ciência

Ex-presidente do INPE encabeça a lista da conceituada Revista Nature e é descrito como herói e defensor da Ciência pela publicação

Notícias
2 de agosto de 2019

Diretor do INPE é exonerado após Bolsonaro criticar dados do desmatamento

Demissão ocorreu após 2 semanas de crise iniciada pelo presidente, que disse a jornalistas estrangeiros que Ricardo Galvão estava “a serviço de ONGs”

Reportagens
3 de novembro de 2019

Reformulação no INPE tem início, após instituto sofrer criticas do governo

Mudanças propostas pelo diretor interino impactarão setor de monitoramento do desmatamento da Amazônia. Divulgação dos dados do Prodes não será afetada, garantiu Darcton Damião

Mais de Golden Queen

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários1