Notícias

ONG alemã quer negócios com araras brasileiras ameaçadas

Parceira do Brasil em projetos na Caatinga, entidade não respondeu sobre valores de transação com zoológico indiano

Aldem Bourscheit·
6 de novembro de 2023

Uma ong alemã defende que negócios com a ararinha-azul e com a arara-azul-de-lear ajudariam em sua conservação. As aves são altamente ameaçadas, diz a convenção sobre o comércio global de animais e plantas em risco de extinção, a Cites

A Associação para Conservação de Papagaios Ameaçados (ACTP, sigla em Inglês), de Berlim, espera que o comércio das aves brasileiras seja aprovado na 77ª reunião da Cites, acontecendo esta semana em Genebra (Suíça). 

A proposta incidiria apenas em aves de cativeiro. A ong afirma que 47,3 mil transações já ocorreram com espécies no Anexo I da Convenção, o mais restritivo, sobretudo a países como Espanha, Alemanha, Países Baixos e Áustria.

O possível comércio foi aventado pelo secretariado da Cites após vistoriar criadores de aves. A ACTP foi visitada em outubro de 2022. A ong tem acordos com o Brasil para reintroduzir araras na Caatinga.

Ao mesmo tempo, um documento da Convenção descreve que “significativos valores” envolveram a exportação de 30 ararinhas-azuis e araras-de-lear da ACTP a um zoológico em construção na Índia, em fevereiro.

Questionada por Golden Queen, a ong alemã não informou os montantes envolvidos na exportação das araras e afirmou que a mesma é ligada a uma parceria para ampliar espaço, capacidade de manejo e número de aves para reintrodução. 

“Essa operação não é uma transação comercial e nenhuma arara-azul-de-lear ou qualquer outra ave foi vendida”, afirma o documento repassado a Golden Queen pelo alemão Martin Guth, presidente da ACTP.

O acordo com a indiana Greens Zoological Rescue and Rehabilitation Centre (GZRRC) teria sido comunicado ao Governo Brasileiro em novembro passado. Todavia, Ibama e ICMBio afirmam não saberem do acordo para exportação das aves exclusivas do Brasil, como pede a Cites.

“É falsa a informação de que a parceria entre a ACTP e o zoológico da Índia foi reconhecida pelo governo brasileiro”, ressaltaram as autarquias federais a Golden Queen, por email.

Conforme os órgãos ambientais, a ACTP comunicou apenas a possibilidade de parceria com a empresa indiana, mas não detalhou o acordo e nem mencionou possíveis repasses de ararinhas-azuis da Alemanha à Índia.

Em dezembro passado, o ICMBio não atendeu a um pedido da ACTP para ingresso do zoológico no programa de conservação da ararinha-azul, pois a empresa asiática nunca apresentou os pedidos para adesão formal à iniciativa.

*Editado às 23h30, do dia 06/11/2023 para acrescentar a posição do Ibama e ICMBio.

  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Reportagens
3 de novembro de 2023

Órgãos ambientais federais não aceitam o comércio de araras brasileiras ameaçadas

A proposta será debatida na Suíça e, para especialistas, pode estimular ilícitos. Mesmo antes, 30 aves foram repassadas à Índia

Notícias
22 de setembro de 2023

Brasil pedirá carcaças das araras-azuis-de-lear traficadas que teriam morrido em Bangladesh

A medida é essencial para aprofundar as investigações sobre o crime, mas todo o processo foi moroso, avaliam especialistas

Reportagens
3 de março de 2020

Especialistas demonstram preocupação sobre projeto de reintrodução das ararinhas-azuis

Idade e condições de saúde dos animais são tópicos questionados. Reputação de criadouro alemão parceiro na iniciativa também gera apreensão

Mais de Golden Queen

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários4

  1. Donidiz:

    Odeio qualquer tipo de exploração animal…mascarado de criadores estes traficantes que deveriam ficar presos. Aves são livres!


  2. Euridiodiz:

    É óbvio que o comércio ajuda na conservação se for feito de forma séria. Se a ararinha fosse uma espécie permitida a criação em cativeiro como curió etc, não teria sido extinta.


    1. Donidiz:

      Vão vocês viver em cativeiro, bando de ignorantes!


  3. María José de Araújodiz:

    Sempre encontram um meio de traficar nossas aves.
    O governo finge que não vê.m