Notícias

Obras e licenças de resort na APA de Maricá estão suspensas por nova decisão do STJ

Corte acatou liminar do MPRJ para determinação de paralisação de atividades do megaempreendimento turístico-residencial de capital espanhol

Elizabeth Oliveira·
29 de maio de 2023

Por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), deverão ser paralisados imediatamente o processo de licenciamento ambiental e as obras do Projeto Maraey na Área de Proteção Ambiental (APA) de Maricá. Nessa unidade de conservação da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, a empresa IDB Brasil pretende instalar um megaempreendimento turístico-residencial de luxo e enfrenta resistências do movimento ambientalista local. A determinação, assinada na quarta-feira (24) acatou um pedidode tutela provisória de urgência do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ). O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) informou ao Golden Queen que ainda não foi notificado sobre a questão.

Em um dos trechos da decisão do STJ, assinada pelo ministro Herman Benjamin, observa-se o seguinte argumento do relator: “Como se percebe, esta Corte, debruçando-se sobre o mesmo empreendimento do presente caso, já decidiu que (a) “a área em litígio é composta por Restinga, ecossistema raro e em vias de desaparecimento, um dos mais ameaçados do Brasil em razão de incessante pressão antrópica, mormente a imobiliária e a de lazer, ao longo da nossa costa e sobre o qual há vários precedentes no STJ ”. 

Da mesma forma, consta da decisão do STJ que “o prejuízo ao meio ambiente que pode ocorrer com a liberação do empreendimento enquanto ainda em discussão os limites a serem observados por se tratar de área de preservação é imensurável e não deve ser desconsiderado em função de interesses econômicos”. Em outro trecho do documento, se afirma que “confrontados o interesse privado e o público, deve-se privilegiar este – que é irreparável – em detrimento daquele”.

E, em linhas gerais, no documento de mais de 100 páginas, o MPRJ apresenta o longo histórico de disputa judicial do megaempreendimento e argumenta que os ecossistemas da APA de Maricá têm importância socioambiental fundamental para a região onde se insere. Advoga, ainda, que o projeto em processo de licenciamento ambiental envolve riscos ecológicos e culturais, tendo em vista a existência de comunidades indígenas e de pescadores tradicionais nesse contexto litorâneo de inúmeras belezas e vulnerabilidades naturais.  

“Está suficientemente caracterizado que a instalação do empreendimento alterará a configuração social e o ecossistema local e que os estudos até então apresentados subdimensionam os impactos sobre as comunidades tradicionais afetadas, diversos deles não compensáveis”, argumenta o MPRJ no documento enviado ao STJ. 

Em comunicado à imprensa, foi informado que “para assegurar a proteção ao meio ambiente e garantir segurança jurídica no âmbito deste processo, com objetivo de alcançar uma solução definitiva, o MPRJ irá constituir um grupo de trabalho voltado especificamente para análise do referido licenciamento ambiental”. O grupo mencionado “será composto pelo GATE/MPRJ (Grupo de Apoio Técnico Especializado), pela ARC Cível/MPRJ e pelo órgão público licenciador”.

Parte desse imbróglio jurídico está relacionada à Ação Civil Pública ajuizada pelo MPRJ, por demanda da Associação de Preservação Ambiental das Lagunas de Maricá (Apalma), em movimento unificado com a Associação Comunitária de Cultura e Lazer dos Pescadores Zacarias (ACCAPLEZ) representada pela Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (DPERJ).

Empresa se pronuncia

Em comunicado à imprensa, a empresa informou que “recebeu com enorme tristeza a notícia sobre a paralisação cautelar do empreendimento”. Afirmou também que  “tem convicção de que o empreendimento é a solução para a conservação ambiental da Área de Proteção Ambiental (APA) de Maricá, para o desenvolvimento sustentável do município e do Estado do Rio e para aprimorar a capacidade turística do Brasil”. 

A intenção de prosseguir buscando a viabilidade do empreendimento é reafirmada no comunicado: “Trabalharemos com força para reverter a decisão e concretizar a instalação de Maraey”. A empresa ressalta que todas as licenças do projeto “foram obtidas após um longo processo administrativo promovido pelo Instituto Estadual do Ambiente (INEA) e pela Prefeitura de Maricá, além de serem ratificadas por inúmeras decisões do Poder Judiciário”.

Ainda foi argumentado no comunicado que, “os entes públicos envolvidos, na véspera desta decisão, requereram a suspensão dos processos judiciais para que todas as partes possam se manifestar adequadamente e esclarecer as premissas equivocadas das impugnações feitas ao licenciamento e ao projeto Maraey”.

Por fim, a empresa opina que “a liminar deferida monocraticamente no Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra o empreendimento, embora ainda passível de recursos, impacta não apenas Maraey, como também a segurança jurídica dos demais investimentos e projetos estratégicos para o Estado do Rio, assim como o desenvolvimento sustentável do turismo”.

  • Elizabeth Oliveira

    Jornalista e pesquisadora especializada em temas socioambientais, com grande interesse na relação entre sociedade e natureza.

Leia também

Reportagens
20 de abril de 2023

Resort de grupo espanhol tem conflito acirrado na APA de Maricá

Indígenas Guarani bloqueiam obras do Projeto Maraey, megaempreendimento com parceiros de peso como a rede internacional de hotéis Marriott e a marca de festivais Rock in Rio

Reportagens
16 de janeiro de 2023

Por mais proteção, ambientalistas defendem criação de Parque na APA de Maricá

Resgatando demanda antiga, o Movimento Pró Restinga recebeu apoio da Alerj em mobilização por proteção integral já apresentada a órgãos públicos federais, estaduais e municipal

Notícias
23 de setembro de 2022

Decisão judicial libera resort na APA de Maricá, ambientalistas protestam

Tribunal derrubou decisão anterior que determinava o cancelamento de licenças do empreendimento e Defensoria Pública analisa medidas cabíveis nesse imbróglio jurídico

Mais de Golden Queen

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.