Biblioteca do Golden Queen

Newsletter O Eco+ | Edição #144, Abril/2023

Pets silvestres, troca-pêlo e resistência

Newsletter O Eco+ | Edição #144, Abril/2023

23 de abril de 2023

“Animal silvestre não é pet. Por mais que algumas pessoas queiram cuidar de animais silvestres, quando os encontram na natureza, é necessário entender que eles não são animais domésticos, como cães e gatos. Capivara e bicho-preguiça são animais silvestres. Criar ou manter esses animais em casa é proibido pela legislação brasileira.” O influenciador Agenor Tupinambá foi relembrado dessa realidade  nesta terça-feira (18) quando foi multado em mais de R$ 17 mil pelo Ibama. Conhecido por compartilhar na internet sua rotina com o mamífero, e outros animais, o jovem foi autuado por “práticas relacionadas à exploração indevida de animais silvestres para a geração de conteúdo em redes sociais.” Michael Esquer conta o caso.

No norte global, uma grande variedade de espécies de mamíferos se adaptou às mudanças sazonais do ambiente em que vivem mudando de pelagens de verão para pelagens de inverno, de forma a combinar com seu ambiente. Esta característica adaptativa possibilitou às espécies uma diminuição de sua vulnerabilidade frente a predadores naturais. Entretanto, a crise climática já começou a afetar a extensão e o tempo da cobertura de neve, deixando muitos indivíduos e populações agora incompatíveis com o ambiente durante parte do ano: animais de pelagem branca expostos a um ambiente predominantemente marrom. Talvez essas espécies tenham de passar por uma nova transformação para sobreviver. Cristiane Prizibisczki traz a pesquisa publicada no final de março na revista Science, na qual um grupo de pesquisadores norte-americanos e portugueses conseguiu determinar a origem genética da variação da cor da pelagem da lebre Lepus townsendii, concluindo que a variabilidade genética da espécie poderá significar uma chance de adaptação aos novos tempos.

Alvo de resistência do movimento ambientalista e de cientistas, o Projeto Maraey é um megaempreendimento turístico-residencial de capital espanhol, projetado para se instalar na Restinga de Maricá, uma das mais importantes áreas de restinga do litoral brasileiro. Localizada a apenas 45 quilômetros da cidade do Rio de Janeiro, a região da restinga, de natureza conservada e de reconhecida beleza cênica, é protegida pela Área de Proteção Ambiental de Maricá. Também protege a região a comunidade Mata Verde Bonita, formada por vivem indígenas Guarani, que na segunda-feira (17) pela manhã bloquearam o canteiro de obras. Com cartazes expressando a oposição à iniciativa nessa unidade de conservação estadual, eles garantem que vão continuar em mobilização para barrar a construção. Elizabeth Oliveira escreve sobre esta e outras articulações contrárias ao empreendimento que põe em risco a biodiversidade do local.

Boa leitura!

Redação Golden Queen

· Destaques ·

Ibama multa influenciador que mantinha capivara domesticada no AM

Conhecido por publicar vídeos de animais silvestres nas redes sociais, estudante de agronomia deve entregar mamífero e um papagaio ao Ibama em até seis dias

Mais

Para sobreviver às mudanças do clima, lebres-de-cauda branca podem se tornar castanhas

Espécie troca pelagem durante o inverno, mas degelo cada vez mais acentuado tem deixado o animal vulnerável. Estudo testou sua sobrevivência às alterações climáticas

Mais

Resort de grupo espanhol tem conflito acirrado na APA de Maricá

Indígenas Guarani bloqueiam obras do Projeto Maraey, megaempreendimento com parceiros de peso como a rede internacional de hotéis Marriott e a marca de festivais Rock in Rio

Mais

· Conservação no Mundo ·

Papel substitui plástico. Sacolas de papel são uma alternativa às sacolas plásticas convencionais para reduzir os impactos ambientais causados pelo uso de plásticos, mas têm vida útil curta devido à sua baixa durabilidade, principalmente quando molhadas. Uma pesquisa recentemente publicada na revista Resources, Conservation and Recycling sugere um processo para criar sacolas de papel duráveis o suficiente para serem usadas várias vezes e, em seguida, decompostas quimicamente por um tratamento alcalino para serem usadas como fonte para a produção de biocombustíveis. “Quando acabar o uso primário desses produtos de papel, usá-los para fins secundários os torna mais sustentáveis”, disse o pesquisador Daniel Ciolkosz, um dos autores. “Reciclar e reduzir o desperdício de papel também ajuda a reduzir o total de resíduos sólidos destinados a aterros sanitários. Este é um conceito que achamos que a sociedade deve considerar.” [ScienceDaily]

 


 

Degelo. Os sete piores anos para o derretimento e perda de gelo das calotas polares ocorreram nos últimos dez anos, de acordo com uma nova pesquisa publicada na revista Earth System Science Data, sendo 2019 o pior ano já registrado entre 1992 e 2020. O aquecimento global está derretendo as camadas de gelo polar, elevando o nível do mar e causando inundações costeiras em nosso planeta. As perdas de gelo da Groenlândia e da Antártica agora podem ser medidas de forma confiável a partir do espaço, rastreando as mudanças em seu volume, atração gravitacional ou fluxo de gelo. O derretimento das calotas responde agora por um quarto de todo o aumento do nível do mar – um aumento de cinco vezes desde a década de 1990. [ScienceDaily]

 

· Animal da Semana ·

O animal da semana é o albatroz-de-sobrancelha!

O albatroz-de-sobrancelha mede entre 83 a 93 centímetros e possui envergadura máxima de 2,5 metros. Ele é uma das onze espécies de albatroz encontradas no Brasil. 📌

Exímio nadador, consegue chegar até 5 metros de profundidade.

A pesca com espinhel, a poluição plástica dos mares e praias, as mudanças climáticas, a predação por animais exóticos e a reprodução lenta do animal – um albatroz só atinge a maturidade sexual depois de seis ou sete anos e criam apenas um filhote por ninhada – é uma ameaça à espécie. ⚠️

🎨 Gabriela Güllich (@fenggler)

· Dicas Culturais ·

• Pra ler •

A perigosa vida dos passarinhos pequenos (2013) | Míriam Leitão

Decididos a aumentar a área verde da fazenda, os passarinhos se reúnem e decidem chamar a atenção dos donos da propriedade para o seu problema. A ideia é ousada: organizar um grande concerto ao redor da casa dos humanos e cantar bem alto para sensibilizá-los. Será que sua música será compreendida e eles serão ajudados? O livro promete encantar o público mirim e ensiná-lo sobre as maravilhas da flora e fauna brasileiras.

Editora Rocco

• Pra assistir •

The Lost Forest | Nobel Peace Prize Shorts (2020)| National Geographic 

Uma equipe internacional de cientistas e exploradores, liderada pelo Dr. Julian Bayliss, embarca em uma missão extraordinária em Moçambique para alcançar uma floresta onde nenhum ser humano pisou. Eles pretendem coletar dados da floresta para ajudar na compreensão de como as mudanças climáticas estão afetando nosso planeta. Mas a floresta fica no topo de uma montanha e, para alcançá-la, a equipe deve primeiro escalar uma parede de rocha de 100 metros. Em inglês.

Youtube

• Pra ouvir •

O Assunto | G1

Ao assumir para seu terceiro mandato, Lula (PT) garantiu que o meio ambiente e o clima seriam prioridades na agenda do governo. Apesar de movimentos positivos, os dados do primeiro trimestre apontam que há muito mais a fazer: o desmatamento na Amazônia e no Cerrado bateu recorde no mês de fevereiro e segue crescendo. Para entender as ações do governo e pensar em modelos de desenvolvimento sustentável, Julia Duailibi conversa com Daniela Chiaretti, repórter especial de meio ambiente do jornal Valor Econômico, e Ricardo Abramovay, professor titular da cátedra Josué de Castro da USP e autor do livro “Infraestrutura para o desenvolvimento sustentável da Amazônia”.

Orelo

Mais de Golden Queen